quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

A música muda.


No auge do axé, forro eletrônico, pagode e sertanejo nos anos 90, eu era um adolescente mergulhando no rock dos anos 60 e 70. Sem internet, eu ficava caçando músicas nas rádios, discos e amigos... As fontes de informações eram centralizadas e homogeneizavam o "gosto" musical. Tome toneladas de música que não me diziam nada... Pra meu bem, eu "emudeci" essas músicas.

Mas... Eu morava em Recife, naquele década, o melhor lugar pra se ouvir música boa, inventiva, enérgica e, além de tudo, acessível! Tava tudo lá e ao vivo!
A "cena" recifense nunca me dizia nada e eu nunca me vi representado nela.

Era uma música muda também.

Eis que em 2017 eu li Do Frevo ao Manguebeat.

De repente, sinto uma nostalgia enorme. No livro, eu lia uma descrição do Recife que conheci e vivi. Eram as ruas da minha infância e adolescência. Aquelas capas de discos e sons eram familiares. Nação Zumbi, Mundo Livre S/A, Devotos, Jorge Cabeleira, Mestre Ambrósio e tantos nomes se juntam ao Polo Pina, Recife Antigo, Rec Beat.


Mas peraí? Essa música não era muda ora mim? Era sim... eu acho. Mas de alguma forma eu a escutava.
Me arrependo de não ter aproveitado melhor os anos 90... Perdi, perdi...
Mas a música muda, muda.



sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Top 10 - 2016



Um top-10 para 2016

Na música:

·         Be Here Now - George Harrison - Que melodia, que letra, que harmonia, que Harrison!
·         C'ant find my way home - Blind Faith - Aí fico sem fôlego.
·         Champagne Supernova - Oasis - redescobrindo um clássico dos meus vinte anos.
·         Desordem - Titãs - mais atual que nos anos 80.
·         Hanky Panky - Tommy James & The Shondells - a música preferida da minha mocinha, nossa trilha sonora no carro.
·         Lily Dreams On - Cotton Mather - uma pérola pouco conhecida.
·         Matilda Mother - Pink Floyd - que banda é essa que me surpreende depois de 25 anos com uma música de 1967?
·         She's Leaving Home - Cida Moreira - uma releitura corajosa e genial!
·         Thunder Road - Bruce Springsteen - entrou definitivamente nos artistas que preciso me aprofundar.
·         Today - David Gilmour - ver esse cara tocando essa música ao vivo foi um dos pontos altos desse ano.
Menções honrosas:
·         Cross Eyed Heart - Keith Richards - eu ainda acho que Keith nasceu no Mississipi!
·         Yellow Lednetter - Pearl Jam - descobri esse ano, como pode?
·         Wake Up Dead Man - U2 - num ano com tantas perdas, um alento.

Nas imagens:

·         Batman v Superman - Quando um filme é corajoso, não importa quem não gosta, ele fica, marca porque nem só de dinheiro vive o cinema.
·         Charlie Brown & Snoopy, Peanuts - O filme - Que celebração da minha infância, valeu Minduim, você é o cara mais legal da turma.
·         Cidade de Deus - Nem sei o porquê de ter esperando tanto tempo pra ver essa obra-prima!
·         Creed - Rocky sempre foi minha saga preferida e Creed faz jus à ela.
·         Deeadpool - Filme completamente desbundante, que pérola!
·         Lady Snowblood - Um pouco de cinema japonês pra ocidente ver.
·         Loki? - Seria Arnaldo um gênio? Não sei, mas Loki ele pode ser.
·         Sob o mesmo céu - Cameron Crowe me deu mais um presente!
·         Star Trek sem fronteiras - Quando se ama uma franquia e se recebe um presente, podemos dizer que a vida pode nem ser longa, mas é próspera!
·         What happened, Miss Simone? - Dentro da mente de uma mulher gernal!

Nas letras:

·         Blues (R. Crumb) - quadrinho e blues com quem entende dos dois.
·         Choques Futuristas (Alan Moore) - amantes da ficção, regogizem-se!
·         Daytripper (Fábio Moon e Gabriel Bá) - a vida não é um essaio, Roger Waters havia dito isso, Fábio e Gabriel colocam cores e formas.
·         Dias de Luta (Ricardo Alexandre) - uma excelente incursão nos anos 80 do Brail e não apenas no rock.
·         Grandes Astros Superman (Grant Morrison e Frank Quitely) - uma das melhores história do melhor!
·         Jornada nas Estrelas (Salvador Nogueira e Susana Alexandria) - brasileiros sabendo mais que os gringos.
·         Natureza, Território e Convivência (Luzineide Carvalho) - uma análise que só não é completa por nenhuma é. Que livro!
·         Pavões Misteriosos (André Barcinski) - e quem disse que o Brasil não tem pop?
·         Reino do Amanhã (Mark Wade e Alex Ross) - um deleite para os fãs do Superman!
·         Seca e convivência com o semiárido (Caio Maciel e Emílio Pontes) - um passo à frente numa discussão secular!

Menções honrosas:
·         Assuntos de Família (Will Eisner) - Que família não se enquadra aqui?
·         Batman Ano Um (Frank Miller e Davis Mazuchelli) - Esse é o Batman e não será superado,
·         Terra dos Homens (Paul Claval) - desvendando a minha ciência.


segunda-feira, 7 de novembro de 2016

O barquinho (Por Ana Godoy Pereira)

Ana hoje chega aos seus 4 anos hoje!


Não vou fazer um texto de homenagem, mas vou postar aqui uma parte da sua visão de mundo.

Ana é uma inventora de música, como ela mesma diz. A sua invenção já tem letra e melodia, quem sabe um dia posto um vídeo dela cantando...

O barquinho (Por Ana Godoy Pereira)

O barquinho flutuando pelas ondas
O barquinho flutuando pelas ondas

E o barquinho foi ficar naquela ilha
E o barquinho foi ficar naquela ilha

E o barquinho se quebrou
E o barquinho se quebrou

E ninguém consertou
E ninguém consertou

E então apareceu uma menina
E então apareceu uma menina

E o barquinho ela consertou
E o barquinho ela consertou


quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Para Hiro e Diego, o privilégio de (con)viver.


Tenho pensado na mortalidade ultimamente. 

As notícias sobre mortes tem agora mais impacto na minha vida. Claro que desde a infância convivo com elas. Lembro claramente o dia em que meu pai me falou que minha avó havia morrido ou aquele meu colega de rua que foi assassinado por conta do tráfico de drogas. Fiquei muito triste quando George Harrison morreu e ainda sinto saudade do meu cachorro. Me recordo com tristeza a ida de uma das mentes mais brilhantes que conheci ou da minha maior referência acadêmica

Mas parece que a morte está cada vez mais próxima - não a minha, assim espero, mas de mim. E de todas as notícias de morte que recebi recentemente, duas me impactaram bastante. A de um senhor extremamente gentil e a de um aluno cheio de vida e simpatia. Com o primeiro foram duas semanas de convívio diário, com o aluno foram quatro meses de encontros semanais em sala de aula.

Impossível não pensar em todas as contribuições que aquele senhor deu às pessoas. Impossível não imaginar tudo que aquele jovem ainda daria ao mundo. Hiro e Diego nunca se conheceram e, provavelmente, nunca se conheceriam. Mas aqui na minha mente, eles convivem diariamente...

Saíram desse mundo deixando muita saudade. Sou grato por ter conhecido e convivido pelo menos um pouco com cada um. Lamento não ter tido mais tempo... E assim aumenta a certeza de aproveitar ainda mais o convívio de algumas pessoas. 

Um dia serei eu a partir, claro. Espero que quando esse momento chegue, eu seja uma boa lembrança para as pessoas com quem convivi. Viver é um privilégio, eu o tenho há 38 anos bem vividos. 

E para aqueles que continuam experimentando desse privilégio, vida longa e próspera!

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Superman, um cara complexo!

Todo herói precisa ter uma conexão com seu público, certamente o Batman e o Homem-Aranha são os mais exitosos. O primeiro é um humano que faz coisas extraordinárias, o segundo é um herói acidental que tem problemas financeiros e de autoestima. Aí é onde o Superman leva muita desvantagem. Afinal, quem vai se identificar com o alienígenas voador, super forte, bonito e que carrega um S enorme no peito? Ele é o "bom moço", o "sem graça", "nhém nhém nhém demais".

Mas de todos os heróis que conheço, nenhum é tão complexo como o azulão de capa vermelha. Por quê?


Kal-el é a minoria de um só, literalmente. O último de sua raça. O imigrante. A grande ironia é que ele pode subjulgar a todos e, mesmo assim, aceita viver sobre regras que aprendeu, Afinal, cresceu com determinador valores (verdade, justiça e o modo de vida americano - recentemente deletado em prol de uma maior aceitação fora dos EUA). Me pergunto, com os poderes dele, o que faríamos?

As melhores histórias do Kal-el/Superman/Clark não são aquelas em que ele usa sua força e agilidade para derrotar inimigos "invencíveis", mas justamente aquelas em que ele se pergunta o que deve fazer e qual o seu papel no mundo (vide os quadrinhos como "O último filho" - onde descobre uma criança do seu mundo; Grandes Astros - quando se depara com sua mortalidade; a animação Superman vs The Elite, quando se questiona até que ponto deve usar sua força ou o clássico Superman - o filme, onde muda a história pelo egoísmo de não perder a mulher que ama). Todos são temas caros!

Na série Lois & Clark, Kal-el diz "Clark é o que eu sou e Superman é o que posso fazer", mas nenhum dos dois é ele, em essência. Quantas pessoas ele é, então? Três?

Em um episódio da animação da Liga da Justiça, o Superman mostra toda a sua frustração em viver num mundo onde precisa controlar sua força todo o tempo, "um mundo de papelão". Imaginemos, então, viver num mundo que podemos destruir ou, simplesmente, impor nossas vontades? Tentador, não? 

No filme Batman v Superman, o herói se questiona sobre o que deveria fazer no mundo onde foi criado. Num momento insensato, dá a vida para salvar os outros. Não seria melhor ter pedido para a poderosa Mulher Maravilha usar a lança e matar o vilão? Claro! Porém, o que para alguns é uma falha no roteiro, é justamente, a grande sacada dos roteiristas para mostrar um Superman perdido e buscando reconhecimento dos outros. O que isso nos diz de nós mesmos e da sociedade de alta exposição de hoje? Você quer aprovação dos outros? O que você faria?

A frustração está presente em toda a vida de Clark Kent, mas sem a esperança de uma cura (acabar com o sol amarelo é fora de questão) ou um psicólogo para resolver seus problemas. Afinal, quem entende de tripla personalidade com um terço kryptoniano? A diferença é que o Superman não fica jogando na cara das pessoas que tem problemas. Ele tenta viver como pode, balanceando suas vidas...

Clark quer chegar em casa, comer alguma coisa e ficar assistindo TV com a namorada. Ele quer ter uma profissão, amigos e visitar a mãe nos fins de semana. Isso é completamente diferente dos outros heróis que vão em busca de uma dupla vida, seja qual for a motivação. Kal-el vive a irreversível frustração de ser o último da sua raça e o Superman precisa ser o herói e o monumento quase religioso da esperança da humanidade. Mostrar isso nunca foi fácil. A maior fraqueza do Superman está nos roteiros, não nele.

E, sinceramente, não consigo ver outro super-herói mais complexo que esse.



quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

2015 - Um ano pausado

Esse foi ano em que fiquei enclausurado. Não gostei. Vivi a maior parte do tempo em um quarto quente e seco. E como é difícil viver numa cidade extremamente restritiva depois de ter toda a América do Norte por dois anos, pelo menos em possibilidade, claro. A sensação de poder fazer alguma coisa ajuda...

Pausa pra ler um artigo.

E 2015 foi o ano em que me desapeguei muito das coisas materiais - o que é difícil para um colecionador de cd's e dvd's. Aliás, aderi quase por completo aos encantos do Blu Ray.
E então foram dezenas de discos, filmes, shows e documentários que deixaram a minha casa e com eles, lembranças e experiências.

Pausa pra ler um capítulo de um livro.

Eu vi muitos filmes, mas muitos filmes mesmo, a lista seria enorme, e já até coloquei alguns aqui... Mas tomei um tempo pra rever sagas e filmografias... Então Dirty Harry, O Homem sem nome, Rocky, Rambo, Máquina Mortífera, A Hora do Pesadelo, Tremors, Batman (de Tim Burton a Nolan), Matrix, Indiana Jones, Mel Brooks, O Poderoso Chefão, O Predador, O Exterminador do Futuro e quase tudo de Arnold Schwarzenegger, The Cornetto Trilogy, Stephen King, Steven Spielberg, Austin Powers e ainda sete temporadas de Doctor Who! Ufa...

Pausa pra escrever um trabalho e enviar a um congresso.

E como tive que lidar com burocracia, foram tantos formulários, cópias, emails, solicitações, dúvidas, telefonemas, raivas, frustrações, mais raiva, indignação... Aprendi a odiar algo e foi a burocracia.

Pausa pra ler um livro. 

Eu fui à Europa pela segunda vez. Berlin para sempre estará nas minhas lembranças, Paris também. A primeira eu adorei, a segunda eu não pretendo mais rever.

Pausa pra apresentar um trabalho num congresso.

E eu descobri os quadrinhos. Como eu tinha preconceito, felizmente como vários outros, esse se foi e me deixou uma nova mídia pra explorar. Bem-vindas graphic novels, hq's, gibis!

Pausa pra escrever tese.

E o melhor do ano foi o sorriso mais contagiante, as descobertas do mundo, o aprendizado de viver com minha mocinha...

Pausa pra escrever tese.

E 2015 foi ano cheio de pausas, mas não pausas na tese e sim na vida. Afinal, as teses parecem que nunca terminam, nunca "dormem", nunca relaxam... Que 2016 me deixe livre de você, sua tese.


Pausa pra viver. 

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Top 10 - 2015 - Som & Video


Esse foi um ano em que pude ouvir muita música, afinal trabalhar com ela é mais fácil. Eu me permiti também ver mais filmes e foram muitos! Sentia falta de ver coisas novas (feitas há muito tempo) e rever muita coisa... Eis uma lista sem ordem definida...

Top 10 - Músicas

Photographing Rain - Kitchens of Distinction - É possível uma música construir uma atmosfera tão incrível em 4 minutos?
ForeverYoung - Alphaville - assistindo ao belíssimo filme 1987, me deparo com essa pérola subestimada dos anos 80.
Crimsonand Clover - Tommy James & The Shondells - de uma menção honrosa do ano passado, teve presença forte esse ano.
Tea- Jim Noir - Uma dessas músicas que parece que só eu conheço...
EveryMorning - Mascis, J - Só ouvindo pra entender...
OTempo Não Para  Cazuza - Ah, Seu Cazuza, você tinha razão.
Aquie Agora - Gilberto Gil - Vivendo com a menina do sorriso mais bonito, essa música é a melhor trilha sonora.
Incinvible- Muse - Irresistível!
KeepUnder Cover - Paul McCartney - De uma inocência quase sacana!
EveryLitle Thing She Does is Magic - The Police - Num domingo à tarde, eu vi minha mocinha dançando espontaneamente ao som dessa música, que bela lembrança.
NaturezaNoturna - Essa letra é quase uma autobiografia, muito obrigado Fagner!
MyLove - Lenny Kravitz - A trilha sonora de Paris.
ThatLook You Give That Guy - Eels - Parece anos 70, parece brasileira, parece... mas não é!

Menções honrosas:
Moses'Pain - Jonathan Wilson - Dire Straits e Bob Dylan são homenageados (na minha percepção) nessa belíssima canção.
FirstWe Take Manhattan - E finalmente eu tomei as duas!
Don'tstop believin' - Journey - Entendo o porquê dessa música ser tão famosa.
Sowingthe Seeds of Love - Tears for fears - Voltando dos anos 90!


Top 10 Filmes

ExMachina - De prender o fôlego. A ficção científica precisava de um filme como esse.
Love& Mercy - Belíssima homenagem/cinebiografia de Brian Wilson, um dos maiores gênios da música do século XX.
Whiplash - um dos melhores filmes sobre música que eu já vi!
Serou não ser - Mais uma comédia genial de Mel Brooks.
Under Influence - Um documentário  pra se sentir ao lado de Keith Richards.
1987 - Uma pérola quebequense!
RapazSolitário - Um dos clássicos da minha infância, eu redescubro e com a dublagem que eu havia memorizado, obrigado Netflix!
MadMax - A estrada da Fúria - Fiquei com a sensação de ver um filme de ação de verdade!
DoctorWho - De todas as séries, a mais antiga me pegou. Allons-y!
EraUma Vez na América - Redescobri um clássico! Obrigado Sergio Leone!


Menções honrosas:
007contra Spectre - Um Bond com cara dos anos 60.
TrêsHomens em Conflito - Redescobri outro clássico! Muito obrigado Sergio Leone!

Cássia - Eu esperava mais, mas talvez não fosse possível.
TimMaia - a cinebiografia de um dos caras mais interessantes da música brasileira.

Pode ler também

Related Posts with Thumbnails